CARIACICA EM FOCO  
 



BRASIL, Sudeste, CARIACICA, VILA MERLO, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, Livros, Política
Outro -
border=0
 
   Arquivos

 
border=0
Outros sites

 Mr Micro 3200 2004
 UOL
 LOTERIAS DA CAIXA
 CATEQUISAR - OLI
 SECULO DIARIO
 FACEBOOK
 TWITER
 GAZETA ONLINE
 REDE TRIBUNA
 TIKIT


Votação
Dê uma nota para meu blog



border=0
 


Também o prefeiro mora em Cariacica

Polícia Federal desarticula quadrilha que fraudava licitações em prefeituras no Espírito Santo

Pelo menos 11 pessoas foram presas, entre elas empresários e funcionários de prefeituras do Estado





moeda
Ações da Polícia Federal ocorreram em Santa Leopoldina, Vitória e Vila Velha



Onze pessoas foram presas pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira (16) no Espírito Santo acusadas de formação de quadrilha para fraudar licitações públicas em cinco municípios: Santa Leopoldina, Cachoeiro de Itapemirim, Presidente Kennedy, Viana e Serra.

Entre os presos na operação "Moeda de Troca" estão empresários, secretários e servidores municipais. De acordo com o delegado Cassius Baldelli, da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, o esquema consistia em favorecimento de empresas prestadoras de serviço a prefeituras em licitações de 11 contratos firmados entre 2009 e 2010.

"Durante as investigações, nós verificamos que tinha um grupo que, através de contato com servidores de algumas prefeituras aqui no Estado, eles conseguiam fazer o direcionamento do edital ou forjar alguma situação para fazer a contratação direta das empresas do grupo".

Três empresários seriam os "cabeças" da fraude: Aldo Martins Prudencio, Dennys Dazzi Gualandi e Paulo Cesar Santana Andrade. Um deles, Aldo Prudêncio, é irmão do prefeito de Santa Leopoldina, Ronaldo Martins Prudêncio. Mas, ainda segundo o delegado da Polícia Federal, os prefeitos dos municípios onde foi verificada a fraude não são investigados.

foto: Letícia Gonçalves
delegado Cassius Baldelli, da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal,
Delegado Cassius Baldelli, da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado da PF

As investigações feitas pelos policiais federais ainda apontaram que as fraudes apuradas nas licitações e contratos com os municípios citados eram realizadas através de combinação prévia com os concorrentes ou alternância deles, utilização de "laranjas" na constituição de empresas, e ainda pela "criação de emergência" para contratação com a Administração Pública. O valor dos 11 contratos sob suspeita é de R$ 28 milhões.

O secretário de Obras de Santa Leopoldina foi preso em Vitória na manhã desta quinta e o servidor da Secretaria de  Administração do município foi preso na casa dele, em Santa Leopoldina.

Em Santa Leopoldina, onde a investigação começou, há 5 meses, os funcionários, que fazem parte da comissão de licitações da prefeitura, favoreceriam os empresários nos editais para que as mesmas empresas vencessem a disputa. Após o início dos trabalhos da Polícia Federal a investigação chegou às outras cidades.

Entre os serviços prestados, com fraude em licitações, estão limpeza pública, manutenção de veículos e até shows. Cerca de seis empresas participavam do esquema.

Arma e dinheiro

Além dos 11 mandados de prisão preventiva, 15 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça de Santa Leopoldina, foram cumpridos nesta quinta-feira em Santa Leopoldina, Vila Velha e Vitória. Na casa de um dos empresários, na Grande Vitória, foram apreendidos R$ 15 mil em dinheiro. Já casa de um servidor público uma arma sem registro foi encontrada e ele foi preso em flagrante.

A denúncia inicialmente investigada pela Polícia Federal era de que o dinheiro desviado na fraude seria utilizado para formação de "caixa dois" em campanhas eleitorais, o que ainda não foi confirmado. A partir do depoimento dos presos, que estão na sede da Polícia Federal em São Torquato, Vila Velha, as investigações podem se estender a outras pessoas e outros municípios.

Prefeito de Santa Leopoldina nega acusações

O prefeito de Santa Leopoldina, Ronaldo Prudêncio, diz que as acusações são infundadas e que o irmão dele não tem participação nos contratos da prefeitura. O prefeito atribui a denúncia recebida pela Polícia Federal, e que originou a operação, a uma "perseguição política". "Nunca houve tráfico de influência em Santa Leopoldina, meu irmão não tem firma lá, não tem nada".

De acordo com o prefeito entre os alvos da operação em Santa Leopoldina estão um contrato de aluguel de carros para o prefeito, vice-prefeito e secretários e também a contratação de shows durante o carnaval no valor de R$ 120 mil. Ronaldo Prudêncio diz que o contrato dos carros já foi rescindido e que não há irregularidade na contratação dos shows. Ele negou também a formação de caixa dois para campanha eleitoral.

Os servidores da prefeitura de Santa Leopoldina que foram presos serão afastados das funções embora o prefeito os tenha como "funcionários de confiança". De acordo com o prefeito uma sindicância administrativa foi aberta para apurar possíveis irregularidades cometidas por eles.

Consta na decisão judicial que decretou as prisões preventivas que o caso "sangra a administração pública": "Os crimes são de alta gravidade e, apesar de não propiciar cenas chocantes, a exemplo do que se vê em relação  a homicídios, sangram a administração pública por meio de desvio de verbas da educação, segurança, saúde e etc".


As irregularidades mais comuns eram:

Propostas das empresas concorrentes quase idênticas, tanto no valor, quanto no conteúdo, ocorrendo, em alguns casos, os mesmos erros de português;

Algumas empresas convidadas não apresentam documentação ou apresentam com documentos faltantes, para serem propositalmente desclassificadas;

Negativa de fornecimento de edital para empresas que não faziam parte da organização criminosa;

Não comparecimento de nenhuma empresa no certame licitatório a fim de que fosse criada uma oportunidade para contratação direta de empresas da organização criminosa com a prefeitura;

Utilização de convênios firmados com entidades sem fins lucrativos que terceirizam integralmente a prestação do serviço para empresas da organização criminosa, sem realização de licitação;

Apresentação de propostas com data anterior à própria publicação do edital.
Interferência na feitura do edital de forma a beneficiar as empresas da organização criminosa.


Confira os nomes dos 11 presos, que constam no mandado de prisão expedido pela Justiça:

1 -Paulo Cesar Santana Andrade
2- Aldo Martins Prudêncio
3-Dennys Dazzi Gualandi
4-Patrícia Pereira Ornelas Andrade
5-Adailton Pereira dos Santos
6-Rozélia Barbosa Oliveira
7-Antonio Carlos Sena Filho
8-Robson de Souza Colombo
9-Romilson Coutinho Ramos
10-Paulo Calot
11- Izidoro Storch

Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas empresas Metavix Serviços, Metamóveis Comercial e Impacto Máquinas e Equipamentos, em Vila Velha, e Robson Rodeios, em Vitória. Além de residências de alguns dos acusados e da Prefeitura de Santa Leopoldina.



Escrito por ronaldochagas às 16h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
border=0